TAEs do IF Sudeste também aderem à greve de 48h nos dias 02 e 03 de outubro

As trabalhadoras e trabalhadores técnico-administrativos em educação do IF Sudeste MG (campus Juiz de Fora e reitoria) aprovaram, em assembleia geral realizada hoje, 27 de setembro, a Greve de 48 horas da Educação nos dias 02 e 03 de outubro, convocada pela Fasubra Sindical entre outras entidades da educação (Confira a nota) . Na ocasião também foi aprovada a construção da greve nacional da educação em conjunto com outros setores, por tempo indeterminado. O objetivo é manifestar contra os sucessivos ataques do governo à Educação, entre eles, o projeto Future-se, os cortes de recursos nas IPE (Instituições Públicas de Ensino), do CNPQ, da CAPES, do PNAES e do FUNDEB; a intervenção do governo na escolha dos dirigentes das IFE (Instituições Federais de Ensino); a militarização das escolas e a retirada de direitos dos trabalhadores(as). 

Tanto a greve de 48h quanto a por tempo indeterminado foram pautadas durante a Plenária Nacional da Fasubra, realizada nos dias 14 e 15 de setembro, que indicou que os delegados encaminhassem a discussão para as bases da Federação.  A plenária contou com a participação de 137 delegadas e delegados e 08 observadores(as), de 36 entidades da base da Federação. De Juiz de Fora, estiveram presentes, a coordenadora do Sintufejuf, Maria Angela Costa, indicada pela direção do sindicato, o delegado Sandro Teófilo, representante dos TAEs lotados na reitoria do IF Sudeste e indicado em assembleia, além de Silvestre dos Santos e Isabel Cristina, eleitos pela categoria da UFJF.

A assembleia do IF Sudeste MG teve início com os relatos sobre a Plenária. Maria Angela destacou a necessidade de acumular forças, com cautela. “Ao mesmo tempo que nós temos que fazer o embate, a gente tem que saber como fazer, ter estratégia. Por isso a gente defendeu que tem que fazer greve com mais setores da educação”, afirma.

Segundo Sandro Teófilo, este foi um dos pontos centrais de discussão da plenária: que tipo de greve deve ser feita. “Assumir a responsabilidade de uma greve de categoria neste momento, eu acho precipitado, por mais que a Federação tenha um histórico de protagonismo, é muito preocupante fazer isso neste momento. Por isso, o mais prudente seria uma greve no sentido de envolver diferentes setores da educação pública neste país”, opina. 

De acordo com o coordenador geral do SINTUFEJUF, Flávio Sereno, a greve de 48h é o primeiro passo para a construção da greve por tempo indeterminado. “Ela deve acumular forças para uma greve mais pesada depois, para algo mais contundente”, esclarece.

A categoria da UFJF, em assembleia geral no dia 17 de setembro em Governador Valadares e 24 em Juiz de Fora também deliberou pela greve de 48h. A mesma deliberação aconteceu em assembleia da APES, que incluiu docentes da UFJF e IF Sudeste MG.

O Fórum das entidades do qual fazem parte o SINTUFEJUF, APES, DCE e GETUS se reuniu na manhã de hoje para construir as ações para a greve de 48h. Desta forma, ficou organizada uma agenda  no IF Sudeste MG na parte da manhã, no dia 02 de outubro. Às 8h30, acontece um café da manhã, às 9h15, Cine debate e às 11h30, Produção de cartazes. Na parte da noite, todas e todos estão convidados para um ato Cultural,a partir das 18h na Ágora da UFJF. No dia 

3 de outubro, às 14h acontece uma  Aula Pública com o tema “Temos Futuro?” no Parque Halfeld, em seguida, a partir das 17h, haverá um  Ato Público no mesmo local.

SINTUFEJUF

SINTUFEJUF