TAEs da UFJF (Juiz de Fora e Governador Valadares) e do IF Sudeste MG (campus Juiz de Fora e reitoria) aderem Greve Nacional da Educação

Nesta terça-feira, 13 de agosto, trabalhadoras e trabalhadores técnico-administrativos em educação da UFJF (em Juiz de Fora e Governador Valadares) e do IF Sudeste MG (campus Juiz de Fora e reitoria) paralisaram as atividades em adesão à Greve Nacional da Educação.

Em todo o Brasil, a classe trabalhadora, estudantes e movimentos sociais foram às ruas protestar mais uma vez em defesa da educação e da previdência públicas. O objetivo era denunciar os retrocessos do governo de Jair Bolsonaro, como a Reforma da Previdência aprovada na Câmara dos Deputados e os ataques à educação pública, por meio de retenções orçamentárias impostas pelo Ministério da Educação (MEC) às universidades federais, e o programa Future-se, recentemente apresentado pelo governo.

Em Juiz de Fora, milhares de pessoas lotaram o Calçadão da Halfeld na noite de ontem. O ato teve início às 17h, e contou com discursos de diversas lideranças sindicais, sociais e estudantis. O coordenador de Comunicação do Sintufejuf, Márcio Sá Fortes, falou pela entidade. Segundo ele, este foi o terceiro ato do ano impulsionado pela educação, além dos outros que aconteceram contra a Reforma da Previdência e em defesa dos direitos da classe trabalhadora. 

Deste modo, conforme Márcio, a manifestação surgiu como contraponto a toda campanha que tem sido feita pelo governo federal com o objetivo de convencer a população quanto à necessidade da Reforma da Previdência, e ao Programa Future-se. “É um ataque frontal aos direitos dos trabalhadores, a reforma da previdência que agora já está no Senado, inviabiliza a aposentadoria para diversas trabalhadoras e trabalhadores e causam prejuízo também para o serviço público. Com relação à universidade, há muito tempo vem sido feito uma série de discursos contra a ciência e quanto ao serviço público, que vem contaminando o entendimento daquilo que representa as universidades e os institutos federais, como o IF Sudeste MG. Junto a isso, o corte de verbas de 30% inviabiliza o funcionamento destas instituições. Desta forma, temos que manifestar e manter na luta. Pois só na luta a gente consegue buscar a vitória´, sobretudo da derrubada do projeto future-se, para que ele definitivamente não seja aprovado”, afirma Márcio.

A concentração de estudantes da UFJF teve início na Praça Cívica, no campus, de onde eles marcharam até o centro da cidade e se uniram à manifestação. Já os estudantes do IF Sudeste MG e Colégio de Aplicação João XXIII iniciaram a mobilização às 16h30, no Cine-Theatro Central.

As trabalhadoras e trabalhadores técnico-administrativos em educação da UFJF em Governador Valadares também aderiram à Greve Nacional da Educação.

A concentração aconteceu a partir das 8h na rua Caratinga – em frente à Igreja Católica Nossa Senhora das Graças, depois do Mergulhão (feirinha).


SINTUFEJUF

SINTUFEJUF