SINTUFEJUF e FASUBRA pedem “Fora, Weintraub”

Com a  campanha “Fora Weintraub!”, aprovada em sua última Plenária Nacional, a Fasubra e o SINTUFEJUF pedem a demissão imediata do atual Ministro da Educação Abraham Weintraub. O motivo são os diversos ataques às instituições federais de ensino, como as declarações  inverídicas sobre a existência de “plantações de maconha” e produção de “drogas sintéticas em laboratórios” nas universidades públicas brasileiras. A Fasubra Sindical ingressou na Justiça Federal, com interpelação judicial para que o ministro explique suas declarações potencialmente difamatórias e injuriosas para a comunidade universitária.

Não é a primeira vez que o Weintraub tenta desqualificar o ensino público. Desde sua nomeação, realizou corte de 30 % dos recursos de custeio das universidades e institutos federais e alegou que as mesmas promovem “balbúrdia” em seus campi. Com a mobilização da comunidade acadêmica, os cortes foram revertidos. A tentativa de implementar o programa Future-se, cuja primeira versão foi rejeitada pela maioria das instituições, foi mais uma investida contra o ensino superior público brasileiro. Outra forma de ataque foi o desrespeito à autonomia universitária, ao nomear reitores que não foram eleitos pelas comunidades de suas instituições.

Enquanto o ministro tenta depreciar as instituições federais de ensino, afirmando que as mesmas não cumprem sua finalidade (o que é desmentido pelas estatísticas de desempenho), o governo tem priorizado o setor privado.

O comportamento inadequado de Abraham Weintraub tem reverberado até mesmo no Congresso, com pedidos de sua demissão. O ministro perdeu apoio até mesmo de seus aliados.

O Sintufejuf e a Fasubra reafirmam que as universidades públicas e os institutos federais são centros de excelência de ensino, pesquisa e extensão, ocupando os primeiros lugares nos rankings nacionais e internacionais de produção de ciência e tecnologia.

SINTUFEJUF

SINTUFEJUF