MARÇO DE LUTAS DA MULHERES DO SINTUFEJUF OCORRE ENTRE 04 E 08 DE MARÇO

Com o objetivo de marcar o enfrentamento feminino contra a cultura machista e a opressão, na semana em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, o Sintufejuf promove o “Março de luta das mulheres do SINTUFEJUF”, com o tema “Territórios de resistência: é tempo de rebelião”.

As atividades acontecem entre os dias 04 e 08 de março, e conta com panfletagem na Feira livre da Avenida Brasil, exibição do filme “Que bom te ver viva”, mesa redonda, rodas de conversa, aula de yoga, manifestação entre outras atividades culturais e políticas (Confira no banner a programação completa).

De acordo com a coordenadora de Educação e Formação Sindical do Sintufejuf, Natália Paganini, o evento reforça a necessidade de políticas voltadas para as mulheres, principalmente diante das consequências da cultura machista que ainda existe no país. Segundo a coordenadora, no Brasil, uma mulher é estuprada a cada 11 minutos, e assassinada a cada 2 horas, 503 são agredidas em 1 hora e 5 espancadas a cada 10 minutos. É o 5º país do mundo em feminicídio (assassinato de mulheres por serem mulheres). “A a violência de gênero permeia todas as relações em que nós, mulheres, estamos enredadas: familiares, trabalhistas, religiosas, institucionais, afetivas, sexuais, culturais, econômicas, políticas. Ela está nas agressões, nos abusos, no assédio, no sistema que precifica nosso gênero, nos salários menores, no desemprego, na jornada múltipla de trabalho”, afirma Natalia.

A coordenadora diz ainda que as mulheres negras, indígenas, periféricas, camponesas, ribeirinhas, com deficiência, criança, adolescente, idosa, lésbica, bissexual, transexual e transgênero são as mais atingidas pelo machismo. Além disso, as mulheres têm sido cada vez mais prejudicadas com as retiradas de direitos pelo “desgoverno” Temer, como a Reforma Trabalhista, Lei das Terceirizações, PEC 181 (proíbe o aborto até em casos de estupro) e a Reforma da Previdência (que embora tenha sido retirada de pauta no momento, não foi extinta).

“A única resposta possível, sempre fizemos com muita coragem: resistir e avançar! Nós, mulheres, criamos e ocupamos espaços com nossa rebeldia! Mudamos a vida com a nossa luta! Somos nós por nós! O Março de Luta das Mulheres do SINTUFEJUF é o momento de fazermos política para debatermos nossas pautas de gênero, juntar mulheres diferentes para discutir as mudanças que queremos, nos formarmos, nos divertirmos, nos capacitarmos”, explica Natália.

Para participar do evento é preciso fazer inscrição no evento através do linkhttps://goo.gl/forms/U4xPLSqbXEvMLNIK2.

E para as mães que necessitarem, o Sintufejuf vai inaugurar no dia 07 de março, às 18h, o espaço lúdico educativo Maria Firmina dos Reis. O espaço irá funcionar para crianças até 12 anos, durante atividades que tiverem a participação do Sindicato, conforme demanda. Para usufruir, é necessário enviar um e-mail para edusintufejuf@gmail.com, solicitando a inscrição. Em breve, outras informações sobre o espaço.

Greve feminina

 

Ano passado, as trabalhadoras técnico-administrativas da UFJF protagonizaram a primeira greve exclusivamente feminina, convocadas por ativistas de mais de 50 países. Com o tema “Se nossas vidas não importam, que produzam sem nós”, o movimento se inspirou na paralisação organizada em 2016, na argentina, após o feminicídio da estudante Lúcia Perez, torturada sexualmente até a morte.

A paralisação somente de mulheres no dia 08 de março será pauta da próxima assembleia, marcada para o dia 06 de março, às 08h, no anfiteatro do prédio novo do Instituto de Ciências Humanas, ICH.

A compreensão masculina contribui para alcançar o objetivo da greve. A manifestação de apoio acontece ao realizar em seu setor de trabalho, apenas o que lhe compete, deixando o trabalho das mulheres descoberto. Desta forma, a ausência feminina terá impacto social e econômico. Já no ambiente familiar, a orientação é que no dia 08 de março, os homens assumam integralmente as atividades domésticas, como a limpeza, a alimentação, o cuidado com as crianças, pessoas idosas e doentes. “Isso no 08 de março, no resto do ano não esquecer que devem ser divididas com a companheira”, lembra Natália.

Outra forma de contribuir com o movimento é através da divulgação as atividades programadas para o mês de Luta das mulheres, conversando com companheiros e companheiras sobre a importância da igualdade de gênero. Também é importante apoiar politicamente a greve e criar espaços de discussão em seus setores de trabalho para que mais pessoas entendam e agreguem ao movimento, assumir atividades operacionais de apoio ao atos, como estrutura e divulgação, desde que orientadas pelas companheiras, tudo isso respeitando o protagonismo das mulheres e lutando contra o machismo. Todos os dias do ano.

Conforme Natália, com a unidade é possível fazer a Greve de Mulheres no dia 08 de março. “Todas à participação no “Março de Lutas do SINTUFEJUF”, na Assembleia Feminista do SINTUFEJUF e na Greve Internacional de Mulheres no dia 08 de março!” convida a coordenadora.

SINTUFEJUF

SINTUFEJUF