Decisão do CONSU de novo semestre suplementar e início do ensino híbrido em outubro preocupa SINTUFEJUF, APES e DCE.

O Conselho Superior da UFJF (CONSU), reunido na manhã de hoje, 14, deliberou pelo retorno do segundo semestre suplementar na UFJF, com aulas práticas presenciais para os cursos de saúde e jornalismo, no dia 04 de outubro. Já o semestre regular, aprovado com 60% dos votos a favor, contra 20% de abstenção e 20% de votos contrários, retornará a partir de 18 de outubro. Entretanto, as aulas contarão com a modalidade de ensino híbrido, no qual  as disciplinas teóricas serão necessariamente remotas, retornando as aulas presenciais apenas a partir de 3 de novembro. 

De acordo com o coordenador geral do SINTUFEJUF, Flávio Sereno, em relação ao retorno do trabalho administrativo presencial, para quem está em trabalho remoto, o CONSU ainda irá discutir e votar o documento de planejamento. 

Desde maio, os trabalhadores técnico-administrativos em educação aprovaram em assembleia geral virtual, por unanimidade, que a categoria somente retornaria ao trabalho presencial após a imunização completa de todos, respeitando ainda a  janela imunológica após a segunda dose. Esta é a principal pauta da greve sanitária (ainda em vigor) deflagrada em julho, quando teve início o semestre suplementar para os cursos de saúde.

Deste modo, Flávio avalia que se por um lado foi muito importante garantir que as próximas atividades presenciais previstas tenham início somente após a imunização completa de todos os trabalhadores, as preocupações agora se concentram na distribuição de Equipamentos de Proteção Individual (EPI) adequados, na garantia de transporte e nas adequações dos espaços de trabalho prevendo distanciamento mínimo e ventilação adequada.

“Também reivindicamos no CONSU que a instituição considere os casos das trabalhadoras e trabalhadores com filhos em idade escolar. Isso porque a rede municipal vai voltar num sistema híbrido e voluntário que vai manter crianças em casa em alguns dias da semana. Levamos ao conselho também o pedido que as convocações de retorno ao trabalho presencial sejam feitas de forma individualizada e por meio de canais institucionais de comunicação para que cada caso seja avaliado”, explica. 

Segundo o coordenador, todos estes pontos ainda serão objeto de avaliação e decisão do CONSU. “Hoje foi definido apenas o conteúdo das regras acadêmicas. Neste sentido, convocamos uma assembleia para deliberação do posicionamento da representação do SINTUFEJUF neste debate administrativo que virá nos próximos dias”, afirma. A assembleia acontece na próxima quinta-feira, 16, a partir das 17h, em plataforma virtual.

Para o tesoureiro da APES, Leonardo Silva Andrada, a decisão do CONSU é equivocada, uma vez que as entidades já apontaram que no último semestre suplementar, a universidade não conseguiu garantir o cumprimento dos protocolos apresentados como “garantias” para a realização de atividades presenciais. Vale lembrar que recentemente o SINTUFEJUF e a APES encaminharam um ofício à direção das unidades acadêmicas envolvidas no semestre suplementar – Medicina, Odontologia (JF e GV), Enfermagem e ICB – requerendo informações sobre o cumprimento dos pré-requisitos previstos para o retorno presencial e não obtiveram respostas. “Entendemos que esse equívoco (a aprovação do ensino híbrido) se deve a uma tomada de decisão apressada, que atende a pressões externas. A defesa dessa posição insiste na segurança de medidas que não são garantidas”, opina Leonardo.

Posteriormente a este pedido de informações, o SINTUFEJUF  protocolou um requerimento no Sistema Eletrônico do Serviço de Informações ao Cidadão da UFJF (e-SIC) para que os questionamentos fossem respondidos, Como na primeira resposta, diversos pontos não tiveram retorno, o sindicato entrou com recurso em primeira e posteriormente em segunda instância.

Conforme a representante do Diretório Central dos Estudantes (DCE) no CONSU Maria Edna, o diretório se manifestou favorável ao semestre suplementar, uma vez que o diretório compreende a necessidade dos cursos da saúde que possuem uma alta demanda de represamento de alunos que não conseguiam mais avançar em seus respectivos cursos devido à impossibilidade de adaptação ao Ensino Remoto Emergencial (ERE). “O suplementar atenderia a essas demandas mais urgentes da universidade e atenderia esses alunos que estavam com seus cursos travados e em represamento, com o acúmulo de turmas”, afirma. Entretanto, o DCE se posicionou contrário a retomada gradual das atividades considerando principalmente a ausência de respostas aos questionamentos das entidades, e a não garantia total de distribuição de EPIs, como ocorreu no último semestre, no qual os alunos precisaram comprar materiais de segurança. “Diante desses fatos e da situação dos estudantes não saberem se terão como retornar a Juiz de Fora num período tão curto e não terem a imunização completa, a gente se posicionou contra a retomada gradual nesse momento”, conta Maria Edna.  Na ocasião, o DCE sugeriu que a retomada ocorresse somente no primeiro semestre de 2022, porém a proposta foi rejeitada pela maioria do CONSU.

A discussão do ensino híbrido e do segundo suplementar no Conselho Superior teve início na última sexta-feira, 10. Na ocasião, a APES propôs que se realizasse o debate, porém adiasse a votação para esta semana. Desta forma, os sindicatos teriam tempo de realizar assembleias para ouvir a comunidade acadêmica. Isto porque a reunião do CONSU foi convocada com apenas dois dias de antecedência. De acordo com o coordenador de comunicação do SINTUFEJUF, Márcio Sá Fortes, o SINTUFEJUF e o DCE apoiaram a proposta da APES. Entre as intervenções, os representantes do sindicato no Consu argumentaram sobre as incertezas até hoje existentes em relação ao cumprimento dos itens previstos no cronograma de início do semestre suplementar, deste modo, o possível retorno presencial de um número maior de alunos, seria ainda mais preocupante.

Apesar das justificativas, a proposta da APES perdeu por 32 votos a 15, sendo decidido que a votação sobre o segundo semestre híbrido e suplementar fosse realizada ainda na sexta-feira, entretanto, a reunião chegou ao teto, ficando a decisão para hoje.

Em nota, DCE manifestou o posicionamento contrário à minuta que estabelece o retorno gradual das atividades presenciais da UFJF para o segundo semestre letivo de 2021, uma vez que até o 18 de outubro a comunidade acadêmica não estaria ainda com a vacinação completa contra à Covid-19 e suas variantes. O DCE questionou também a notificação em curto prazo para a reunião CONSU, o que inviabilizou o debate aprofundado com todos os envolvidos.

Diante disso, conforme o representante do DCE no CONSU, Alexandre Pinto, como não haveria tempo de realizar uma assembleia para ouvir os estudantes, foi criado um formulário online no qual os discentes responderam sobre a viabilidade de retorno para Juiz de Fora ou Governador Valadares (caso residam em outros municípios), a expectativa de imunização dos mesmos até 18 de outubro e qual a opinião destes sobre o retorno gradual. Segundo Alexandre, houve grande participação dos estudantes, em apenas 3 dias, foram cerca de 4 mil respostas, o que para ele representa o enorme engajamento para demonstrar que são contra o retorno gradual.

Maria Edna explica que a apresentação da minuta para retomada gradual das aulas presenciais surpreendeu o DCE, uma vez que não havia nenhum indicativo deste debate. “As únicas pautas que estavam sendo debatidas no conselho eram sobre o semestre suplementar e o semestre intensivo de Governador Valadares”, conta. Deste modo, não havia tempo de mobilizar os estudantes e dialogar de forma ampla e democrática. Segundo ela, a partir do formulário foi constatado que muitos estudantes não teriam como voltar para Juiz de Fora ou GV, ou ainda não queriam retornar antes de serem imunizados com a segunda dose. Para Maria Edna, este foi um fato ignorado pela reitoria da universidade, que deu apenas 15 dias como período de adaptação. “Este período não é suficiente porque não é uma certeza, muito menos um indicativo de que os estudantes conseguirão retornar para suas cidades e conseguir alojamento e se estabilizar para que possam cursar as suas matérias”, lamenta.

SINTUFEJUF

SINTUFEJUF