Categoria discute flexibilização e ponto eletrônico

Em assembleia geral realizada na noite de segunda-feira, 03 de dezembro, no auditório Gilson Salomão, do Hospital Universitário (Santa Catarina), trabalhadoras e trabalhadores técnico-administrativos em educação da Universidade Federal de Juiz de Fora discutiram a implementação do ponto eletrônico e a flexibilização da jornada de trabalho. Na ocasião, a coordenação geral do Sintufejuf, representada por Maria Angela e Flávio Sereno, esclareceu as dúvidas da categoria. Também na assembleia, a coordenadora Maria Angela convidou a categoria para estar presente em reunião dia 12, às 14h, com a reitoria. Na ocasião, serão discutidas as perdas das trabalhadoras e trabalhadores nos últimos anos e cobrar respostas aos questionamentos do segmento da categoria que trabalha no hospital universitário.

De acordo com Flávio Sereno, a construção do Plano de Flexibilização do HU encontrou dificuldades, no entanto, a partir da publicação da portaria assinada pelo reitor, todas e todos estão respaldados oficialmente a fazerem a jornada flexibilizada. O plano recebeu parecer favorável da comissão semana passada e foi encaminhado nesta segunda-feira para o gabinete do reitor, que faria a última análise antes de publicar a portaria autorizando a flexibilização no HU.
Para Maria Angela, principalmente a partir de agora que o ponto eletrônico já começa a funcionar, é importante mostrar que a flexibilização dá certo. “É muito angustiante, nós trabalhadores do hospital estamos com muitas perdas, por isso é preciso ter muito cuidado para a gente não perder mais nada. O plano precisou de muita discussão, muitas reuniões, para que não haja argumentos para retirar nossas conquistas” afirma Maria Angela.


Ponto eletrônico

No dia 01 de dezembro, teve início oficialmente o registro eletrônico de frequência. O período de testes ocorreu de 13 a 30 de novembro no Campus da UFJF.  Flávio Sereno destaca que, embora o Sintufejuf seja contra o ponto eletrônico e a favor da flexibilização, não existe mais a possibilidade de não ter o registro, e o modelo implantado pela UFJF é o menos prejudicial para a categoria, uma vez que  abre a possibilidade de retratar a realidade dos trabalhos administrativos na instituição. A possível má utilização do sistema para casos de assédio ou inibição da mobilização dos trabalhadores será acompanhada e enfrentada pelo sindicato. Flávio Sereno fez uma retrospectiva de todo o percurso até o desenvolvimento de um sistema próprio da universidade.

Após a posse, em abril de 2016, o reitor Marcos David atendeu a solicitação do Sintufejuf, de que antes de discutir o ponto eletrônico, era necessário regulamentar a Flexibilização da Jornada. Em março de 2017, o ponto eletrônico foi aprovado no Consu, mas o modelo a ser adotado seria desenvolvido a partir dos trabalhos de uma comissão, da qual o Sintufejuf tinha representação, e o cronograma para a execução previa o início do funcionamento a partir de dezembro.