Câmara Municipal de Juiz de Fora aprova Moção de repúdio a Paulo Guedes durante sessão em que o FOSEFE participou de Tribuna Livre

Representando o FOSEFE, Flávio Sereno teve 20 minutos de fala

Durante a sessão em que o Fórum  das Entidades do Serviço Público Federal de Juiz de Fora e região (FOSEFE) participou de uma Tribuna Livre sobre “Plano Mais Brasil (PECs 186, 187 e 188/2019), Reforma Administrativa do Governo Federal e os impactos nos serviços públicos federais executados no Município de Juiz de Fora”, a Câmara Municipal de Juiz de Fora aprovou uma Moção de Repúdio, apresentada por cinco membros da casa contra o Ministro da Economia Paulo Guedes. O motivo é a recente declaração do Ministro de que os servidores públicos são parasitas. A moção tinha sido apresentada na véspera pelos vereadores Juraci Schaffer, Wanderson Castelar, Ana do Padre Frederico, Zé Márcio e Vagner do Sindicato, e, coincidentemente foi debatida e aprovada, com apenas dois votos contrários, na mesma sessão em que o FOSEFE apresentou o debate sobre as iniciativas do governo federal, de redução e mudança do papel do estado brasileiro. 

Em nome do Fórum, o coordenador geral do SINTUFEJUF Flávio Sereno, participou como orador da Tribuna Livre. Na ocasião, ele apresentou a composição e motivo da criação do FOSEFE, falou sobre o Plano de Ação, que envolve a organização das entidades federais, diálogo com deputados federais da cidade e região, espaços nas Câmaras Municipais como a Tribuna Livre a Audiência Pública, mobilizações e greves, além de reivindicar a realização de Audiência Pública para aprofundar o tema. Flávio Sereno expôs o conteúdo das três PECs do  Plano Mais Brasil, e a preocupação com a Reforma Administrativa, conforme o documento da Frente Parlamentar Mista em Defesa do Serviço Público, que inclui diretrizes, orientações, e justificativas do governo (mitos do serviço público). De acordo com Flávio, as trabalhadoras e trabalhadores do serviço público estão se organizando para uma grande greve no mês de março, e não vão aceitar serem colocados como vilões nacionais. A categoria de técnico-administrativos da UFJF e IF Sudeste MG (campus Juiz de Fora e reitoria) já declararam o Estado de Greve, com o objetivo de sinalizar a disposição para o movimento paredista em conjunto com os demais setores do serviço público.

Segundo Flávio, a repercussão geral foi positiva, com a ampla maioria de vereadores declarando apoio a ideia de realização de audiência pública e concordando com a linha de raciocínio apresentada. Juraci Shaffer  inclusive disse que vai tentar que ela seja agendada em março. Somente dois vereadores criticaram a apresentação do FOSEFE alegando que os representantes do Fórum estariam sendo ideológicos e ainda questionou onde estavam nos governos passados. Entretanto, como não havia previsão regimental para direito de resposta, não foi possível explicar as dúvidas e os questionamentos destes dois vereadores. “Se tivesse [direito de resposta], teria dito a eles que durante os outros governos estávamos cumprindo o mesmo papel de defesa dos serviços públicos e de seus trabalhadores. O histórico de lutas, mobilizações e greves das categorias é um indicador que demonstra isso. E que entendemos ser um contrassenso alguém criticar o debate ideológico dentro de um parlamento. As ideias precisam ser discutidas e todas elas tem base ideológica. Nós defendemos sim, a ideologia de um serviço público de qualidade com boas condições de trabalho e atendimento de qualidade aos cidadãos. O que fomos buscar na Câmara é apoio nessa empreitada”, afirma Sereno.

De acordo com a presidente da Apes, Marina Barbosa, a Audiência Pública será importante para que o parlamento municipal possa se aprofundar nos temas apresentados pelo FOSEFE. Ela afirma que parte dos vereadores compreendeu que o Plano Mais Brasil e a Reforma Administrativa prejudicam a população juizforana, desestruturando os serviços públicos, caso sejam aprovados no Congresso. “A ideia agora é conquistar apoios na defesa destes serviços públicos e de seus trabalhadores”, explica.

Conforme o diretor do SITRAEMG, Alexandre Magnus, o objetivo do Fórum é unificar todo o funcionalismo público para barrar os ataques e concentrar para greve geral a partir de 18 de março. Para ele a moção de repúdio ao Ministro Paulo Guedes foi um alívio. “Depois da péssima recepção do Vereador, o pastor André Mariano, que foi infeliz em sua fala ao desprestigiar os representantes dos servidores na Tribuna Livre na defesa do serviço público, me senti bem aliviado e com sentimento de justiça feita quando a maioria dos vereadores aprovaram a moção de repúdio contra a fala do Ministro Paulo Guedes que chamou os servidores de parasita”, comemora.
Confira a Tribuna Livre:

https://www.youtube.com/watch?v=yRJXDLHw3H4&list=PL13MoXtW8h4ckzPF9p5lmy1OZxGRFU4Rz&index=5 (assista a partir de 19:10)

SINTUFEJUF

SINTUFEJUF